Opinião

Carlos Matias

O populismo também é incendiário

O populismo insinua-se na análise das causas e das soluções para os incêndios rurais; simplifica o que é complexo, apontando uns quantos “culpados”, apregoa umas receitas de cartilha, elide os interesses em confronto e foge à definição concreta do conteúdo das “reformas” por fazer. Ora, aqui é que “bate o ponto”….

José Manuel Pureza

Uma nova respiração

Há movimento social em Portugal. A manifestação de jovens na Avenida da Liberdade contra a violência racista, a greve feminista e a greve estudantil pelo clima mostram essa nova vitalidade do movimento social, a sua criatividade propositiva e a sua determinação transformadora. E, mais que tudo, têm a força irreprimível da juventude.

Carlos Matias

Folclore é Cultura

Por uma vez, na Assembleia da República, falou-se de folclore.

 

Resoluções Mesa Nacional

A Coordenadora Distrital de Santarém do Bloco de Esquerda vê como favorável a criação de uma NUT que permita a gestão conjunta das sub-regiões, com o intuito de recorrer a um conjunto de financiamentos gerido ao nível do Plano Regional de Ordenamento do Oeste e Vale do Tejo.

Mas a criação desta NUT II (Lezíria do Tejo, Médio Tejo e Oeste) refaz a discussão sobre pontos importantes como a necessidade de rever institucionalmente os processos de descentralização do estado e volta a sublinhar como incontornável a necessidade de promover a regionalização do país. É premente a necessidade de democratizar as estruturas administrativas supramunicipais, dotá-las de meios e recursos. A população tem que eleger os órgãos e as políticas por que são geridas.

No primeiro ano de mandato da CCD de Santarém o Bloco de Esquerda presta contas da forma como respondeu aos desafios políticos do nosso partido em tempo de pandemia. Gostaríamos de deixar aqui o que foram as nossas prioridades e respostas à crise de saúde, social e económica.

Deixamos o nosso agradecimento a todas e todos que contribuíram para a afirmação das políticas do Bloco de Esquerda no distrito, quer na dimensão distrital, quer na dimensão local, a todos os autarcas ou nos muitos ativismos que deram corpo às políticas bloquistas de transformação da nossa sociedade.

Agradecemos a todas e todos que não sendo do Bloco de Esquerda a nós se juntaram para reflexões e lutas na defesa de convicções e mudanças conjuntas.

A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda de Santarém congratula todo o esforço das e dos camaradas no empenho de recolha de proposituras para a legalização da candidatura presidencial de Marisa Matias. A estrutura bloquista do distrito de Santarém foram exemplares nesta tarefa muito difícil em tempo de pandemia. 

O secretariado da coordenadora distrital do Bloco de Esquerda de Santarém reuniu com representantes das comunidades intermunicipais do distrito de Santarém, CIM da Lezíria do Tejo (CIMLT) e CIM do Médio Tejo (CIMT), sobre as opções do Plano Nacional de Investimentos 2030 (PNI2030).

As preocupações fundamentais dos secretários executivos das CIM prendem-se com a perda de protagonismo das sub-regiões e com o sucessivo de investimentos estruturantes no distrito, de que são exemplo a conclusão do IC13, com a reabilitação da ponte da Chamusca, a ponte entre o Cartaxo e Salvaterra de Magos (ponte D. Amélia) e a construção do nó A1- IC9 em Fátima.

O Bloco de Esquerda manifesta a sua profunda preocupação pelos números crescentes da pandemia e pela capacidade de resposta instalada no Centro Hospitalar do Médio Tejo, quer para doentes COVID 19, quer para os doentes com outras patologias.

O encerramento das urgências básicas de Torres Novas e Tomar no período nocturno a que se junta as dificuldades evidentes de muitos Centros de Saúde, no inverno e em plena época de gripe, têm que suscitar preocupação sobre a capacidade de resposta de uma Urgência médico-cirúrgica (Abrantes) que já tinha sérios problemas antes da pandemia.

Páginas